Panorama

1965

PSU Libraries 2010

Revista portuguesa de arte e turismo – vol. 4

Carlos Botelha

  • p. 67

E, por contraste, ainda, o Rio também da macumba e dos despachos de vela acesa e cachaça em garrafas nas encruzilhadas, para o bem ou para o mal do próximo, que adotou S. Jorge para seu patrono e protetor. Rio da bossa nova, mas, fundamentalmente, do samba dos morros e dos cordões carnavalescos que, com o grito do Carnaval inicia o Entrudo que mexe e remexe até Quarta-Feira de Cinzas. Isto é o Rio, com as suas elevações, consideradas as mais velhas formações geológicas do mundo, onde, depois dos tamoios, se fixaram os portugueses, formadores do povo quatrocentão que constitui o mais convivente e coexistente «cocktail» de raças: o brasileiro carioca. Cidade maravilhosa, cheia de encantos mil.

Símbolo do IV Centenário da Fundação da Cidade do Rio de Janeiro, da autoria do Professor Aloisio Magalhães.

Anúncios