Furacão Bob passou pelo Brasil

1965

Visão – Vol. 27

  • p. 31

… brasileiro cumprimentar os jogadores e posar ao lado de Pelé, a quem deu um prendedor de gravata igual ao ofertado a Adhémar. Também visitou o vestiário soviético, onde cumprimentou os atletas. Do Rio o Senador viajou para Natal, que lhe tributou delirante recepção. Bob permaneceu 270 minutos na capital do Rio Grande do Norte, inaugurando o Instituto John Kennedy construído pela Aliança para o Progresso, visitando o Palácio da Esperança e entrando em contato com o Projeto Rita e os Voluntários para a Paz. O superintendente da Sudene, João Gonçalves de Souza, bancou o intérprete em vários comícios improvisados — um deles da capota de um automóvel — e definiu o Senador como “um verdadeiro furacão”. Retornando ao Rio, Bob não resistiu à tentação e deixou o Leme Palace Hotel, de bermudas, aderindo ao ritual copacabanense: banho de mar, frescobol, bate-papo na areia, etc. Mais tarde, no hotel, conferenciou com o Ministro Ney Braga.

Estavam presentes José Honório Rodrigues, Alceu Amoroso Lima, Luciano Martins, o pintor Aloisio Magalhães, o industrial Fernando Gasparian e os padres Fernando Bastos D’Ávila e Raimundo Ozanan, da Escola de Sociologia e Política da PUC.