Presidente visita IPHAN pela Data Nacional da Cultura

1979

UT Libraries 2008

IPHAN

  • p. 7

PRESIDENTE TOMA POSSE NO MEC

Portella: “o mais radical de todos os atos praticados pela política cultural do governo”. 

Figueiredo aos conselheiros da próMemória: “conto com os senhores’

“A posse de Aloisio Magalhães e de um Conselho tão altamente qualificado, para que se possa concretizar um esforço amplamente ansiado e conduzir as questões do patrimônio histórico e as questões da memória nacional, é alguma coisa que confere a esse ato um significado todo especial, provavelmente o mais radical de todos os atos praticados pela política cultural do governo João Figueiredo”. Com essas palavras o Ministro Eduardo Portella, da Educação e Cultura, iniciou seu discurso na solenidade em que deu posse ao professor Alosio Magalhães como presidente da Fundação Nacional próMemória. Entre outros convidados, estiveram presentes o presidente do Congresso Nacional, senador Luis Viana Filho, o Ministro Hélio Beltrão, os senadores Nilo Coelho e Lourival Batista, o presidente da Caixa Econômica Federal, Gil Macieira, além de dirigentes do MEC e funcionários da Fundação. Segundo o Ministro Eduardo Portella, “a criação da Secretaria do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional e a implantação da Fundação Nacional próMemória modificam, transformam, … 

O Ministro assinalou ainda que a Secretaria e a Fundação são mais do que dois instrumentos de trabalho, são uma filosofia de trabalho com dois suportes básicos: o primeiro eu diria que é a própria noção de bem cultural. O bem cultural deixa de ser alguma coisa incorporada passivamente, alguma coisa que perde a sua vida ao transcorrer a sua história, para ser, pelo contrário, alguma coisa que vive conosco a cada instante e, a cada instante, se transforma numa nova lição. Um conceito de bem cultural que junta o bem móvel e o bem imóvel e que transforma o bem imóvel em bem altamente móvel. .” “A segunda vertente á a noção do tempo. Até agora repousávamos tranquilamente na noção de tempo regida pelo império do passado. Todo o esforço de memória e a própria palavra memória remetiam irremediavelmente para um acervo, ou um armazém, de coisas placidamente colecionadas. Agora, se nos permitirem, vamos até desejar e imaginar uma memória do futuro. Isto significa que o tempo deixou de ser um corte sincrônico apenas, onde o passado possa imperar, mas ele vem a existir como uma estrutura unitária onde se dão por igual o presente, o passado e o futuro.

A Fundação Nacional próMemória foi criada através de projeto de lei aprovado, no final do ano passado, pelo Congresso Nacional e seu estatuto foi aprovado pelo Presidente da República através de decreto, em janeiro deste ano.

  • p. 8

… como presidente da Fundação Nacional próMemória, o Ministro Eduardo Portella empossou o Conselho Curador da nova instituição.

O Conselho Curador é o órgão encarregado, juntamente com o presidente, da administração superior da Fundação, sendo composto por cinco membros titulares respectivos suplentes, com mandato de três anos, permitida uma
recondução.

Como órgão colegiado de gestão, a escolha de seus membros recaiu sobre pessoas que se destacaram na administração nacional pública e privada. Seus titulares são Fernando Roberto Moreira Salles. Fernão Carlos Botelho Bracher, Joaquim Arruda Falcão Neto, Jorge Hilário Gouveia Vieira e Márcio João de Andrade Fortes. Os membros suplentes são Antonio Augusto dos Reis Velloso, Mário Jorge Gusmão Berard, Rubens Ricupero, Galba Magalhães Veloso e Paulo Roberto de Oliveira Niccoli. No mesmo dia da posse, o Conselho realizou sua primeira reunião, examinando questões relativas à filosofia administrativa que será imprimida à Fundação Nacional próMemória, sua estrutura básica, a organização, que será por projetos e seus sistema de pessoal, material, serviços e finanças. O Conselho fez também a discussão e aprovação do orçamento para 1980

Visita a Figueiredo

“Eu acho que há muita coisa que está adormecida que precisa ser despertada no Brasil”, disse o Presidente João Batista Figueiredo, ao receber em audiência no Palácio do Planalto, no mesmo dia em que tomaram posse, o presidente e os membros do Conselho Curador da Fundação Nacional próMemória.

… apresentar ao Presidente da República os integrantes do Conselho Curador da Fundação Nacional próMemória, bem como para agradecer a Figueiredo a visita que este fez, em dezembro passado, quando do transcurso da data nacional da cultura, à sede da SPHAN e da Fundação, em Brasília. 

Está no Congresso Nacional o projeto de lei que autoriza o Poder Executivo a instituir a Fundação Nacional …