Cartemas, o DNA do Mestre Aloisio Magalhães

Milão 2003

M Library 2007

Resgate 

“Considero Aloisio Magalhães um bandeirante, desbravador de caminhos no design nacional. Lembro-me, anos 1970, no Rio de Janeiro, da figura carismática pelos corredores da Escola Superior de Desenho Industrial (ESDI), que ele ajudou a fundar. Admiro sua inquietação visual e atuação didática, política, a serviço da institucionalização da profissão no Brasil. (…) E se ele ainda fosse vivo? Como sua obra conviveria com as milhares de marcas corporativas que existem atualmente, filhas que são da abertura de mercado que Aloisio realizou ao perceber a necessidade social da identidade corporativa?”

Assim o designer gráfico Rico Lins refletiu sobre a releitura da obra de Aloisio Magalhães, um dos primeiros designers gráficos a atuar no país, e que, vindo de Recife, já em 1960, abrira seu escritório no Rio de Janeiro.

Entre trabalhos de grande importância, como a marca da Petrobrás; o desenho do cruzeiro novo nos anos 1970; a fundação do ateliê de experimentação visual O Gráfico Amador na década de 1950, em Recife; a vitória nos primeiros concursos brasileiros de desenho de símbolos (Light, 4º Centenário do Rio de Janeiro, Bienal de São Paulo, entre tantos outros), Rico escolheu todos. Adotou como referência os cartemas, que denomina “o DNA do designer Aloisio”. Originalmente utilizando cartões-postais como matéria-prima, os cartemas de Aloisio foram experimentações gráficas, de colagens, espelhamento e busca de padrões visuais através da repetição de elemento único.

Rico resgatou a linguagem desses trabalhos, diversificou os meios de produção, captando imagens através da filmagem e edição no computador, e criou cartemas que resgatam trabalhos antigos de Magalhães e outros contemporâneos de designers atuais.

“Resgatamos Aloisio para a selva atual de inúmeros logotipos que, embora não tenham, enquanto símbolos, mais a permanência e a força dos desenhados pelo grande mestre, refletem a expansão do design gráfico no Brasil a partir de seu legado profissional”.

Exposição Cartemas, o DNA do Mestre Aloisio Magalhães – Milão, 2003