SISTEMAS CONSTRUTIVOS

1979

UT Libraries 2008

IPHAN – CNRC – PCH

  • p. 10

Novo, diretor regional, para, Bahia, e, Sergipe. A preservação dentro do contexto urbano e social. A necessidade, sobre a situação do patrimônio histórico de São João Del’ Rei que, na sua opinião, “é trágica”. Para ilustrar suas afirmações, projetou diversos slides em que são mostradas as descaracterizações que sofre a cidade, como alterações de fachadas de prédios residenciais e edifícios abandonados.

O Conselheiro Max Justo Guedes informou, ainda, que a própria Associação Comercial de São João Del’ Rei contribui para a descaracterização da cidade, ao projetar a construção de um edifício de 14 andares, na área do centro comercial. Disse, também, que a classe média é hoje predominante na opinião pública do país e sugeriu a realização de campanhas para a conscientização da importância do patrimônio cultural, com a utilização dos meios de comunicação de massa, principalmente a televisão. Sugeriu, também, que se aproveitasse a realização do censo previsto para este ano que, na sua opinião, poderia auxiliar no cadastramento de prédios históricos, o que permitiria uma fiscalização mais eficaz.

Em apoio às afirmações do Conselheiro Max Justo Guedes, os Conselheiros Gilberto Ferrez e Américo Jacobina Lacombe enfatizaram a necessidade de promover a conscientização sobre o patrimônio cultural e lembraram que “o exemplo de São João Del’ Rei é um entre dezenas ao longo do país inteiro”.

O Secretário Aloisio Magalhães afirmou, em seguida, que está atento a esses problemas e informou ao Conselho a assinatura de um convênio entre a SPHAN e a Caixa Econômica Federal no sentido de que, em toda cidade que tenha densidade histórica, seja dada prioridade para que as agências da CEF venham a ocupar prédios a serem preservados. Disse que medida semelhante está sendo tentada junto ao Banco do Brasil e ao Banco Central e explicou que essa providência é uma maneira de impedir que construções novas desfigurem as cidades históricas.

O Conselheiro Gilberto Ferrez lembrou a existência de um projeto na Câmara Federal propondo a isenção de impostos e facilidades na concessão de empréstimos aos proprietários de bens tombados, e solicitou ao Secretário do Patrimônio Histórico que, através de sua vivência no Congresso Nacional, quando da tramitação da Lei que criou a Fundação Nacional próMemória, tentasse conseguir a aprovação do projeto a que se referia. Já o Conselheiro Pedro Calmon elogiou a medida adotada pelo prefeito do Rio de Janeiro, Israel Klabin, que apresentou à Câmara Municipal projeto isentando de impostos municipais os proprietários de imóveis na área junto ao Convento de Santo Antônio. A 4ª Diretoria Regional da SPHAN — Secretaria do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional e da Fundação Nacional Pró-Memória, com jurisdição sobre os estados da Bahia e Sergipe, tem novo titular: o professor Áry Guimarães tomou posse dia 27 de março, na sede da Delegacia Regional do MEC, em Salvador, na presença do Secretário da SPHAN e Presidente da pró-Memória, Aloisio Magalhães. A posse foi um dos compromissos de Magalhães em sua visita de uma semana à capital baiana, onde manteve diversos contatos visando dinamizar os trabalhos de preservação e revitalização dos bens culturais da região. Durante encontro com o Governador Antônio Carlos Magalhães, o Secretário da SPHAN informou que o órgão está providenciando a liberação imediata da verba especial de emergência destinada à conservação dos prédios da cidade de Cachoeira. Revelou ainda sua preocupação com a barragem de Pedra do Cavalo, sugerindo incluir no projeto um estudo do assoreamento do rio Paraguaçú, com vistas a prevenir os efeitos das enchentes em São Félix e Cachoeira. Aloisio Magalhães manteve contato também com a Fundação do Patrimônio Histórico e Artístico da Bahia, visitando, em companhia de seu diretor-executivo, Vivaldo da Costa Lima, diversas obras de restauração empreendidas por esta instituição: igreja de Nossa Senhora do Rosário dos Pretos, Centro Artesanal do Pelourinho,  Solar do Ferrão, Centro de Restauração de Bens Móveis e a sacristia da Catedral Basílica, onde conheceu os frontões renascentistas descobertos recentemente  …

Nos diversos contatos que manteve na Bahia, Magalhães procurou explicar a transformação do IPHAN em Secretaria do MEC, o nascimento da Fundação Nacional próMemória e os objetivos a que se propõem os novos organismos.

  • p. 14

O Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico – CNPq – através do Programa de Tecnologia Urbana e da Habitação e o Centro Nacional de Referência Cultural – CNRC – estão produzindo um filme, dirigido por José Zanini Caldas, que documenta as diferentes soluções encontradas pelas camadas sociais de baixa renda, em várias regiões do País, para construir a sua habitação. O aproveitamento do solo possível – seja na periferia, seja no interior das cidades, onde quer que as condições econômicas, sociais ou legais o permitam; a utilização de matéria-prima local – particular de cada região – para a construção da casa; o aproveitamento do lixo industrial e as várias técnicas construtivas usadas nas diferentes regiões, constituem os temas deste documentário, que se encontra em fase de finalização.

Instigado pela mais extrema necessidade, o homem resolve as dificuldades de construir em terreno excessivamente inclinado e acidentado dos morros do Rio de Janeiro; descobre a solução de alinhar uma casa atrás da outra – numa fila interminável – para aproveitar as terras devolutas que acompanham a linha do trem, em Campos; usa de sistemática astúcia para conseguir um espaço para sua moradia, na favela do bairro de Coroadinho, em São Luís do Maranhão; fabrica rapidamente, para uso imediato, um cômodo precário, com paredes e teto de palha, em torno do qual, posteriormente, constrói em taipa a casa definitiva. Pode, então, derrubar o primeiro abrigo, que lhe assegurou a posse do terreno. Incrivelmente, quando não lhe sobra mais um solo onde morar, inventa a solução de criá-lo, a partir da acumulação de lixo sobre os Alagados, em Salvador. Inventividade, inteligência e sensatez se evidenciam no aproveitamento da sucata, no uso da matéria-prima natural local e nas técnicas construtivas documentadas. O filme mostra a utilização de pneus usados para a fabricação de telhados; o uso da palha, da pedra, da madeira ou do barro quando se oferecem disponíveis nas regiões; a variação das técnicas construtivas relacionadas aos recursos humanos e naturais. Quando a câmara se detém, na cidade de Linhares, numa antiga casa de fazenda estruturada em madeira, com telhas do mesmo material e cujos tijolos são de adobe, ou quando realiza um passeio sobre os telhados seculares de São Luís, sugere que as técnicas de construção ecológica e esteticamente harmônicas daquela época passada continuam sendo usadas quando a necessidade conduz as comunidades ao esforço – abandonado pelas camadas sociais mais favorecidas da sociedade industrial – de encontrar estratégias funcionais para a construção de seu abrigo.

Anúncios