Mário de Andrade e Aloisio Magalhães: 2 personagens e a questão do patrimônio cultural brasileiro

Marcelo de Brito A. P. Freitas

1994

UT Libraries 2008

SBPC

  • p. 57

Este trabalho enfoca o tema do Patrimônio Cultural Brasileiro. Para tanto, recorre ao estudo de dois personagens, Mário de Andrade e Aloisio Magalhães que, em momentos distintos, deram uma valiosa contribuição a organização da política de preservação do país e a definição de seu patrimônio cultural, base do trabalho de enquadramento da memória nacional. O objetivo deste texto é determinar o papel que cada um deles desempenhou nesta definição. Procura-se, pois, examinar as atividades institucionais destes intelectuais, observando os mecanismos discursivos que, em cada caso, tornaram potencial a política de preservação e a constituição do patrimônio cultural brasileiro. Como ponto em comum a ambos temos a presença da noção ampliada de patrimônio cultural. Em Mário de Andrade este tema surge, na década de 20, em função de suas preocupações quanto a afirmação de uma produção cultural marcadamente nacional. Já em Aloisio Magalhães, o tema do patrimônio cultural surge associado a uma noção mais ampla, de que se deveria construir um …

O trabalho está estruturado em três partes, a primeira, apresenta-se a trajetória de Mário de Andrade, a formação de seu ideário preservacionista, desde suas viagens etnográficas a sua atuação no Serviço do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional. Na segunda parte, observamos a atuação de Aloisio Magalhães no Centro Nacional de Referência Cultural e no SPHAN/próMemória. Discutimos as causas de referência a Mário de Andrade no discurso de Aloisio Magalhães, e como este renova o pensamento preservacionista no país. Por último, a terceira parte é destinada a demonstrar como o ideário dos dois intelectuais constitui a base da noção de patrimônio cultural presente na constituição de 1988, e a observar quais as perspectivas que tal fato abre para o exercício da política de preservação no país.