Azulejaria Contemporânea no Brasil

Morais, Frederico, 1936

v. 2, 1990.

fonte: UT Libraries 2008

  • p. 85

ALOISIO MAGALHÃES

Antes de se tornar um dos mais destacados graphic designers do País e de desempenhar importantes funções na administração da cultura brasileira, Aloisio Magalhães (Recife, 1927. Itália, 1982) pintou, gravou, fez cenografia e arte gráfica. No Recife, com Frederico Holanda, criou o Gráfico Amador, e, no Rio, foi um dos fundadores da Escola Superior de Desenho Industrial. Criou o símbolo do IV Centenário do Rio de Janeiro, desenhou a moeda brasileira, inventou o Cartema, e como pintor, fez paisagens claras e luminosas e ensaiou uma aproximação à arte abstrata de caráter informal. Data dos anos 50 o painel azulejar que realizou para a residência da Avenida Epitácio Pessoa 1090, em João Pessoa, projetada com requinte e inteligência pelo arquiteto Acácio Gil Borsoi. Trata-se de obra abstrata, com vagas sugestões paisagísticas: leves toques de pincel, manchando de amarelo e verde, com cadência musical, aquele canto de parede. Delicadeza de aquarela, espelho d’água manchado de cores, devaneios formais à Klee, Seurat nos trópicos. Provavelmente é do mesmo Aloisio aquela frisa de bolas coloridas na piscina da casa. Por vezes, as bolas parecem desprender-se dos azulejos para flutuar na superfície da água como coloridas bolhas de sabão.

Anúncios