Lisbela e o Prisioneiro

Osman Lins

  Teatro Mesbla – Rio 13/4/1961

Adolfo Celi e Carlos Kroeber – Companhia Tônia-Celi-Autran

Cenografia e figurino de Aloisio Magalhães

1960

UT Libraries 2008

Habitat: arquitetura e artes no Brasil

Noticiário recente

  • p. 55

O pintor Aloisio Magalhães foi convidado por Adolfo Celi para fazer os cenários da peça de Osman Lins que acaba de ganhar o concurso de revelação de autores nacionais.

23/4/1961

BN

Correio da Manhã

Ano LX, Ed. 20.883

4º caderno

Cartazes

Teatro

É uma comédia das mais autênticas e divertidas que se tem escrito no Brasil. É um verdadeiro “achado” de comicidade com um expressivo cenário de Aloisio Magalhães que soube captar um pedaço de Vitória de Santo Antão para o palco do Mesbla. Tonia Carrero é Lisbela. E ainda como habitantes da cidadezinha esquecida na realidade do nordeste, temos Paulo Autran, Sadi Cabral, Ivan Cândido, Antonio Ganzarolli, Otávio Cardoso, Sebastião Vasconcellos entre outros. Direção de Adolfo Celi e Carlos Kroeber. Cenografia e figurinos de Aloisio Magalhães.

1962

UCLA Library 2009

Anhembi

LISBELA E O PRISIONEIRO» cenário de Aloisio Magalhães, foi escolhida como espetáculo de honra, no sarau da entrega do “Saci” de teatro e de cinema, iniciativa de “O Estado de S. Paulo”, realizado em 28 de maio findo, no Teatro Municipal.

Dirigida por Adolfo Celi e Carlos Kroeber, com os bons cenários e os bons figurinos de Aloisio Magalhães, a peça foi representada por um conjunto de atores muito conhecido e apreciado que, infelizmente, aparece raramente em São Paulo: a a companhia de Paulo Autran e de Tônia Carrero, os dois protagonistas de “Lisbela e o prisioneiro”, ambos dignos de elogio, como aliás os outros.